Contactos
Websites
A importância de um Website para a organização
Decisor
O Planeador dos Recursos de Gestão da sua Empresa
Parceria Primavera
Facturação Primavera Starter, Tlim e Pssst!
Parceria Decisor
Anúncio da minha parceria com o ERP Decisor da New Decision
Redes - Hardware
Servidores, Cablagem, Bastidores, Conectividade, etc.
Redes - Software
Software necessário e/ou mais importante para servidores
Contactos
CSantos Consultoria
MDI Facturação
Facturação Microdigital
Ir para o início da página CSantos Consultoria no Facebook CSantos Consultoria no Twitter Contacte CSantos Consultoria por Skype Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. Contactos CSantos Consultoria

Redes - Hardware

Máquina

Tal como indicado em Redes - Software, Um servidor, normalmente, é um computador bastante mais potente do que a maioria dos PCs, porque serve o propósito de partilhar aplicações e dados com vários utilizadores em simultâneo, num ambiente multi-tarefa e multi-utilizador.

PC VulgarExiste uma variedade muito grande de servidores, que atendem, de forma modular, às necessidades das empresas. Por exemplo, para uma empresa com até cinco utilizadores, uma máquina com um processador corrente - embora melhorado - com bastante memória e um sistema operativo adequado, muito provavelmente resolve o problema de partilha de informação.

NASNuma empresa com mais de cinco utilizadores e menos de dez, já se adequa um servidor com algumas funcionalidades acrescidas, tal como um NAS (Network-Atached Server), que já são comercializados com serviço de cópia de segurança, controle na partilha de ficheiros, gestão de utilizadores, entre outras funcionalidades. Normalmente este tipo de servidor é baseado em Linux.

ServerPara mais de dez utilizadores, então, já teremos de considerar algo mais complexo. Teremos de escolher um computador com mais do que um processador, com muita memória e, especialmente, um sistema de armazenamento que garanta segurança, velocidade e continuidade no acesso aos dados, por muitos utilizadores em simultâneo.

Estes sistemas de armazenamento consistem em vários discos duros robustos a funcionar em simultâneo, combinados entre si. Obedecem a regras normalizadas às quais se chamam RAID (Redundant Array of Independent Disks), que tal como o nome indica, garantem redundância na gravação e no acesso à informação. Caso um dos discos avarie, este sistema permite que o servidor se mantenha em funcionamento com os restantes discos. A tecnologia mais usada é a SAS (Serial-Atached SCSI), apesar de se usar também a tecnologia SATA.

Inter-conectividade

Mas para que máquinas deste calibre possam debitar toda esta potência para os PCs da rede, é necessário que estes estejam conectados entre si, assim como conectados ao servidor. Esta conexão é possível de duas formas principais, que poderemos, depois, dividir em formas secundárias. Estamos a falar de conexão via cabo de rede ou via rede sem fios, o vulgar Wireless. Descartarei aqui outras formas de conexão mais lentas, como o Bluetooth ou o rádio.

WirelessA conexão Wireless é mais cómoda, mas menos eficaz. Se o dispositivo que iremos conectar à rede for portátil, a rede Wireless é a mais indicada, porque permite mobilidade, não obrigando a estar constantemente no mesmo local. As desvantagens prendem-se com a perda de conectividade, sempre que se sai do alcance da fonte Wireless, e a velocidade de acesso aos outros dispositivos ser mais lenta.

Fibra ópticaNo caso da conectividade por cabo, a desvantagem é, de facto, a imobilidade, mas permitindo uma maior robustez e uma maior rapidez no acesso aos outros dispositivos de rede, especialmente ao servidor. Com uma cablagem bem estruturada, consegue-se velocidades de transmissão e recepção na ordem dos 100MB/s (megabytes por segundo), se usarmos o vulgar cabo RJ45, ou até uns estonteantes 34GB/s (gigabytes por segundo), no caso de fibra óptica e, com esta tecnologia, podemos ter distâncias entre dispositivos superiores a 100Km.

Agregadores, encaminhadores e outros dispositivos

SwitchExistem um sem número de dispositivos para ajudar a manter a rede com o máximo de funcionalidades activas. Um deles é o vulgar Switch, um dispositivo que serve para agregar todos os cabos da rede. É este dispositivo que recebe todas as requisições de rede e as reenvia para os dispositivos correctos. Sempre que um PC pede acesso a um registo, numa tabela de uma base de dados alojada num servidor, o Switch reencaminha o pedido para o servidor correcto.

RouterAlém deste, temos também os Roteadores, ou Routers, que projectam uma rede noutra diferente. Ou seja, “traduz” toda a informação que transita num rede para outra rede. Por isso é que um dispositivo numa Intranet consegue aceder facilmente à Internet. Todo e qualquer dispositivo que esteja integrado numa rede com acesso a um Router de Internet, terá, caso lhe seja permitido, acesso à Internet. Mas um Router não tem exclusivamente a função de acesso à Internet. Pode facilmente juntar duas redes distintas: a chamada VPN, por exemplo, que explico em Redes - Software.

TransceiverExistem muitos outros dispositivos que ajudam a rede a funcionar, mas gostaria apenas de mostrar mais um: o Transceptor ou Transceiver. Este dispositivo tem a função de converter um tipo de rede de cabo noutro tipo de rede de cabo. É com este dispositivo que transformamos o sinal de fibra óptica em sinal RJ45 ou em sinal RG59, o vulgar cabo de TV, por exemplo.

Sumarizando, as redes facilitam, asseguram e aceleram a fluência de informação dentro das empresas.